No Teu Jardim

Querida Lua

Querida Lua

Em Touro temos a Lua Nova da estrutura, da segurança, da paciência, da perseverança e do prazer. Somos convidados pela Lua Nova de Touro a refletir sobre a relação que temos com a matéria. O que queremos para a nossa vida material e financeira, e […]

Este sol bom

Este sol bom

  Ver um raio de sol dá-me vontade de largar os sapatos em casa e andar na rua de pé descalço. Quando o tempo bom chega,  quando passo a chamar a praia de casa , quando o sol me vê a cantar para as conchas […]

Imaturidade

Imaturidade

Eu esquecia-me de almoçar porque gostava de brincar no recreio, gostava de todos os animais e dizia que um dia ia te uma quinta cheia deles, estava rodeada de adultos e lembro-me de não gostar muito de ser criança.

Depois houve um dia que percebi que a imaturidade, que só as tem crianças, é mesmo o melhor que temos para dar ao mundo. 

Amor que é amor

Amor que é amor

Um bocadinho do que a Carolina escreveu sobre amor quando é amor. Aqueceu-me o coração e hoje faz frio.   “O amor quando é amor fica. Se fugiu não era amor, se partiu não era amor, se se manchou era amor e então limpa-se devagar […]

Sozinho

Sozinho

É um dos maiores desafios da vida toda não é? Eu sei, existem muitas pessoas que adoram estar sozinhas, não é o meu caso. Adoro pessoas até à exaustão. É mesmo dificil para mim não trocar palavras ou não ter uma conversa só porque sim. […]

Medo

Medo

Duvido muito de mim, seria tão pouco verdadeira se dissesse o contrário que seria penoso para mim.

Entre os dezasseis e os dezanove sofri muito, porque pensava demais em mim e porque me auto-destruía a uma escala assustadora para alguém ainda tão pequenino. Não sei se sofri de uma depressão clinicamente comprovada, mas sei que o peito me pesava, as lágrimas caíram-me muitas vezes enquanto eu estava sozinha e foram muitas as noites de angústia em que gritar para dentro era terrivelmente sufocante.

Não me custa falar sobre isso porque sempre quis que os assuntos sobre saúde mental fossem abordados de maneira natural como se falássemos de uma gripe ou de um osso partido. Quando estamos doentes não há que ter vergonha em partilhar, não somos menos nada por falar da nossa saúde mental com outras pessoas,  não tem que haver pudor em falar abertamente sobre isso, estar bem ou mal mentalmente faz parte do nosso eu inteiro por isso não me parece que haja alguma coisa de errado em falar sobre isso.

Na minha opinião, toda a gente já experienciou partes da depressão, um lugar frio e isolado de tudo o que chamamos por tu.

A depressão só vai embora quando começamos a perceber que temos de lutar por nós e isso pode começar com uma conversa que nos tire o peso de uns ombros que já não aguentam mais uma grama sequer.  Quando a partilha começa a fazer parte da nossa vida é comum começarmos a perceber que existe do outro lado alguém que já terá passado por situações semelhantes. Ao contrário do que se possa pensar, a partilha deste tipo de temas não nos afasta uns dos outros, por norma até tem o efeito contrário.

Mais recentemente, percebi que muita coisa que eu tinha passado em adolescente tinha voltado – As dúvidas, as ansiedade e também algumas noites dificeís de passar. Eu passei por cima de muita coisa antes e escondi o meu lixo mental para debaixo de um tapete e embalei-o numa cave imaginária trancada a mil chaves. Uns anos mais tarde foi-me natural perceber que esses medos pudessem ter voltado para que eu pudesse resolver o que a minha mente não teria conseguido fazer sozinha. Falar ajuda-me, não fingir que está sempre tudo bem ajuda-me, andar sempre a correr atrás do lado mais verdadeiro das pessoas e da vida ajuda-me e acho que vai-me ajudar para sempre.  

Estou em progresso, como todos nós, mas acho que será sempre um progresso. Pelo menos agora sei que partilhar será sempre um meio para aliviar o que tem de se ser aliviado e essa já foi a maior conquista de todas – não ter vergonha de mostrar o meu lado não tão são assim e não tão feliz assim.

Hoje ao almoço falei sobre um dos meus maiores medos, o medo de não conseguir ser sempre inteira. Juro que é das coisas que mais me assusta saber que pode haver um dia que eu não farei alguma coisa com o coração todo ou não ser genuína. E sabem porque é que eu tenho tanto medo disto? Porque eu tenho medo de pessoas assim, morro de medo de um mundo assim e tenho tanto medo de me tornar assim.

Tanto.

Intesidade

Intesidade

Digo muitas vezes que quando gosto de alguma coisa, gosto dessa coisa até não conseguir olhar mais para ela. Nunca consigo comer só um chocolate , nunca consigo beber só um café e nunca consigo abraçar só uma vez. Deve ser por isso que continuo […]

yes.

yes.

By Yumi Sakugawa

Nós e as Luas

Nós e as Luas

 Nós e as Luas.

 

É me tão difícil pôr em palavras a importância que a Lua tem nas nossas vidas, vou tentar.

Acredito profundamente que somos pó de estrelas e que todos os corpos celestes que gravitam à nossa volta nos podem influenciar.

A Lua infuencia as marés, as colheitas e o ciclo menstrual das mulheres, mesmo que se lhe subtraia qualquer poder mistíco, ficamos na mesma com esta certeza –  a Lua influencia o mundo onde vivemos pela força gravitacional que exerce sobre a Terra.

A natureza está dentro de nós porque somos parte dela. Isto não é new age, para mim, new age é achar que não somos parte integrante da mãe natureza. As árvores, as flores e até os animais sabem disto, eles agem em simbiose com a natureza. Tudo flui de maneira intuitiva porque à excepção de nós, o resto do mundo ainda tenta fluir ao ritmo que a natureza lhes dita.

A Primavera faz as àrvores florirem e os animais saírem das tocas, a nós, pessoas, melhora-nos o humor e deixa-nos mais predispostos a andar na rua com menos roupa. As estações do ano influenciam o ciclo natural da vida e, por isso infuenciam-nos a nós. A Lua faz parte do equilíbrio natural da vida na Terra tendo assim um papel fundamental para quem o habita. Acredito que estar em consonância com os ciclos lunares é mais uma forma de nos conectarmos a mãe-terra.

As várias fases da Lua são como as Estações do ano, cada uma tem o poder de abrir uma janela de oportunidade de um novo ciclo, que no caso da Lua se inicia em cada Lua Nova. A energia que cada Lua Nova emana quando nasce é tao intensa que tem o poder de mudar as nossas vidas.

Porque o poder deste corpo celeste é uma das maiores forças naturezas, queremos partilhá-lo com todos. Em todas as lua novas vamos ter uma meditação focada nas intenções de lua nova, esta será a altura certa do mês para colocarmos as sementes das nossas mais profundas intenções e cuidarmos de um novo ciclo que irá nascer.

O No Teu Jardim terá mensalmente, nos domingos seguintes a cada Lua Nova, uma meditação de lua nova facilitada pela astróloga e terapeuta Cláudia Machado.

A Claúdia além de um ser um humano incrivel é também astrológa e terapeuta, foi ela a primeira pessoa que me apresentou o incrível mundo da Astrologia. Foi com ela que fiz a primeira consulta de interpetação do meu mapa de nascimento: “O mapa astral é uma fotografia do ceú quando nascemos, esta fotografia é como se fosse um post-it que deixamos na alma para nos lembrar o que viemos fazer a este mundo, mas o que fazemos com isso somos nós que decidimos”, disse-me. Nunca mais me esqueci desta analogia, fez-me todo o sentido e foi através dela que me foi fácil perceber que tudo o que está a nossa volta exerce realmente uma inflûencia em nós.

Nestes encontros lunares ser-nos-á mostrado pela Cláudia como manifestar as nossas intenções e estar sicronizados com este momento único e especial marcado pelo inicio de cada ciclo lunar.

I volunteer

I volunteer

I volunteer Só porque adoro adoro adoro desafios, auto proponho-me a realizar este com 6 regras durante 6 dias. Sendo assim:   Não julgar nada do que me apetecer fazer, nada, nada. Não julgar o que os outros dizem por mais absurdo que seja. Pode […]